terça-feira, 14 de abril de 2009

Uma advertência transmitida por Annael


O artigo que se segue, faz parte de uma advertência que Annael me deu, durante uma das vezes em que estive com ele no "Conselho de Sírius". Muitas vezes falam sobre as alterações que o nosso planeta está a sofrer actualmente, tanto a nível climático, como a nível geológico. Falam sobre o rumo que a nossa civilização está a tomar e as respectivas consequências que isso nos pode trazer.

Pessoalmente gosto mais de ouvir discutir sobre os "tempos antigos", nos quais a humanidade era mais aberta e mais ligada ao seu ecossistema natural. Todos trabalhavam e viviam de modo equilibrado em relação aos outros. Não havia a cobrança de serviços, mas sim uma troca. Claro que nem tudo eram "rosas", mas não era nada que se compare com o nosso modo de vida actual. A humanidade não vivia fechada em si mesma no seu mundo pequeno... Havia também uma interacção activa e aberta entre seres humanos e outras civilizações que periódicamente nos visitavam.

Segundo Annael, isso revelou-se a dada altura, como sendo prejudicial, pois no inicio da nossa civilização, havia a tendencia das varias culturas se tornarem dependentes de outras mais avançadas e a intensidade dos "contactos" diminuiu drásticamente. Continuaram presentes, mas foi decidido guardar uma certa distancia.

Os temas abordados são variados, abrangendo também métodos de cura, mente humana e expansão da consciência, o Universo, tecnologia de portais, Quântica, ensinamentos "espirituais", ciência, deslocações no espaço e no tempo, entre outros.

Neste caso, o assunto que me fez fazer este artigo para partilhar com os que por aqui passarem, foi sobre o caminho que estamos a escolher como civilização e o que isso pode trazer não só para nós, os causadores, como para o que nos rodeia.

Segue a transcrição do que Annael me transmitiu, tendo os outros membros do Conselho como "pano de fundo", pois estivemos sempre acompanhados por eles. Isto que partilho aqui, é uma parte do que se passou, pois prefiro fazer as coisas com tempo e com calma. Espero que entendam.

Yavith

“Cegos são aqueles que só vêem o material e o tecnológico! É o interno de um povo que define o tipo de uso da tecnologia e o motivo da sua existência.

O “povo da Terra” chegou a uma etapa importante da sua existência, pois já atingiu um nível de evolução tecnológico muito superior ao seu espiritual e é urgente definir o tipo de uso para essa tecnologia e qual o caminho evolutivo que a humanidade vai seguir.

Um corpo sem alma, não pode viver. Uma civilização sem alma, não pode existir.

O princípio é o mesmo que rege o equilíbrio entre o corpo físico e os campos energéticos internos e externos. O corpo físico deve conseguir acompanhar paralelamente as alterações súbitas de frequência internas e externas, sempre que necessário.

Para que isso ocorra, é necessário ter todo um trabalho complexo por trás, além disso, é necessária disciplina e autodisciplina. O amadurecimento interior acaba também por ser desenvolvido e trabalhado, a aprendizagem acontece e a expansão de consciência torna-se realidade. Caso isso não aconteça, o corpo físico começa a ficar danificado, adoece e pode ocorrer a morte física.

Isto já te foi explicado e demonstrado no passado…

No caso de uma civilização, a consciência deve acompanhar paralelamente o desenvolvimento tecnológico e por consequência, a “aquisição de novas ferramentas”.

Para que uma civilização cresça e se desenvolva equilibradamente é imprescindível que todos os componentes que dela fazem parte, ajam como uma unidade… como um só, vivendo em harmonia e com o mesmo objectivo. Se os componentes internos não funcionarem em harmonia, a civilização como um só, desfragmenta-se, torna-se assim “doentia” e confusa. Cresce aleatoriamente sem controlo algum… o caos toma conta de toda a sua existência e por consequência, a consciência não se desenvolve.

A destruição de tudo o que a rodeia torna-se uma ameaça contínua e a autodestruição termina com a sua existência, afectando directamente a “malha” energética circundante. É como uma onda de choque que se propaga a outras existências e realidades, afectando também outros planos e dimensões, pois tudo no Universo está interligado.

Obter o conhecimento implica desenvolver igual medida de responsabilidade.

Está na hora de cada ser humano assumir a responsabilidade pelas suas acções e intenções plasmadas e decidir qual rumo seguir. Está na hora do “Povo da Terra” como unidade, assumir a responsabilidade pelos seus actos e decidir qual o caminho a trilhar.

Não podemos interferir no livre-arbítrio de uma civilização, mas podemos mostrar-vos o futuro que criaram e podemos fazer com que o vivam intensamente como sendo a vossa realidade física… que o sintam, que o cheirem, que o oiçam… como se estivessem realmente ali, naquele momento. Já o fizemos antes… já o viveste quando foi necessário para o teu processo de aprendizagem e crescimento interior… já sentiste em ti.

Através dessas experiências, interiorizaste o entendimento… compreendeste verdadeiramente o funcionamento, o porquê. Partilhaste com os teus semelhantes o conhecimento que adquiriste. Assim a vossa compreensão e entendimento adquiridos através desta vivência ajudará a crescer e a expandir a vossa consciência como uma só…como unidade.

Viver uno com o Universo e com o que nele existe, é o ideal para o crescimento interno.

Não é preciso perderem a vossa identidade, mas é fundamental partilhar e saber coexistir. Ter consciência do que existe para lá do vosso horizonte e do vosso alcance.

Chegou a necessidade de cada um responder segundo os seus actos. Todos são responsáveis pelas próprias acções e respectivas reacções, às quais, não será mais possível considerar a falta de conhecimento ou consciência, mesmo para aqueles que neste momento estão no inicio da sua caminhada interior, pois na sua matriz energética já existe um grau de consciência suficiente para terem ultrapassado a barreira do conhecimento.

O tempo urge… o perigo está eminente e é preciso tomar decisões urgentes e definitivas".

1 comentário:

  1. Realmente, dá que pensar...

    Essa entidade parece ser severa, mas possivelmente, deve ser disso que a Humanidade precisa para entender que o rumo actual está a ser prejudicial para nós e para tudo o que nos rodeia.

    ResponderEliminar